Baependi
Baependi,Brasil,Minas Gerais

Baependi e suas lindas cachoeiras

Baependi foi uma cidade que paramos porque quando passamos um final de semana em Campanha conhecemos a história da Nhá Chica e, na estrada, vimos uma placa e acabamos entrando na cidade, porque Baependi é a cidade que a mesma nasceu.

A cidade é linda e cheia de cachoeiras e trilhas, mas infelizmente as estradas de terra na zona rual estão péssimas e é necessário obrigatoriamente um carro 4×4.

História de Baependi

O Sul de Minas ficou conhecido pelos europeus a partir de 1601. A região, primeiramente, era habitada pelos índios puris. A conquista da cidade aconteceu, no entanto, por volta de 1692, quando os paulistas Antonio Delgado da Veiga, seu filho João da Veiga e o tio Miguel Garcia Velho, partiram de Taubaté, no estado de São Paulo, em busca de ouro. Chegaram após transporem a Serra da Mantiqueira e a nomearam de Maependi, que você vai saber o significado em seguida.

Entretanto, foi apenas no ano de 1752 que o pequeno povoado virou freguesia. Logo após, em 1814 se tornou Vila e em 1855 foi separada da Comarca do Rio das Mortes, passando a ser sede da Comarca e, finalmente, no dia 2 de maio de 1856 foi elevada à categoria de cidade.

Origem da palavra

Em suma, o nome do município é uma referência ao rio Baependi, que cruza o município. “Baependi” é um termo do termo tupi mba’eapiny, que significa “rio do monstro marinho” (mba’eapina, monstro marinho indígena + ‘y, rio).

Cachoeiras de Baependi

Existem diversas cachoeiras e você irá ver várias no vale enquanto estiver andando de carro, mas com trilhas e estradas de terra difíceis de chegar.

Fizemos uma parte que dá para fazer de carro, mas lembrando que tudo em estradas de terra então tem que ter um carro 4×4.

As primeiras três cachoeiras que fomos são próximas e, além disso, ficam no bairro rural de Piracicaba. Para chegar, coloque essa direção no Waze, vá perguntando ao passo que segue as orientações das placas.

Cachoeira do Calderão

  • Queda: 6 metros
  • Poço: 8 metros
  • Propicia para banho
  • Entrada: gratuita.

Cachoeira linda e estava com uma queda forte com efeito da quantidade de chuvas, sendo a última pela estrada do lugar que visitamos.

Placa de sinalização para a cachoeira do Calderão
Sinalização para a cachoeira do Calderão
Cachoeira do Calderão e sua vista maravilhosa
Cachoeira do Calderão

Cachoeira do Juju

  • Queda: 130 metros.
  • Poços naturais propícios para banho.
  • Pode praticar rapel.
  • Trilha até os poços de água: 2,40 quilômetros (ida e volta).
  • Base da cachoeira não é propícia para banho.
  • Entrada gratuita.

Com toda a certeza, nós consideramos a cachoeira mais linda da região que fomos devido aos seus poços naturais com vista para o infinito. É um lugar espetacular.

Em contrapartida, mesmo essa sendo a melhor cachoeira, infelizmente é a pior estrada, com uma grande subida e muito acidentada.

Placa para inicio da Trilha
Sinalização para início da Trilha
Cachoiera do Juju vista de cima
Visual da cachoeira em cima
Cachoeira do Juju em Baependi e seus poços de água
Poços de água
Vista linda do infinito
Vista para infinito dos poços de água
Cachoeira inteira
Cachoeira vista da estrada

Faça o download do GPX da trilha até a Cachoeira do Juju.

Powered by Wikiloc

Cachoeira Honorato Ferreira

  • Queda: 10 metros.
  • Poço: 10 metros de comprimento por 15 metros de largura.
  • Entrada gratuita.

Muito bonita e o único local que tem, em sua base, um restaurante para comprar não só bebidas como também alimentos.

Placa de sinalização para a Cachoeira
Sinalização para a Cachoeira
Cachoeira Honorato Ferreira em Baependi
Cachoeira Honorato Ferreira

Cachoeira Itauna

  • Entrada gratuita.
  • Propícia para banho.

Das cachoeiras que visitamos, essa é a que tem o acesso mais fácil e, além disso, está localizada no bairro de São Pedro.

Cachoeira Itauna em Baependi
Cachoeira Itauna

Onde comer em Baependi

As opções para comer na região são escassas e ruins, mas você não vai passar fome.

Restaurante do Dirceu

Restaurante do Dirceu

O restaurante está localizado ao lado da Catedral, sua comida é farta porém não agradou nosso paladar, mas dá para matar a fome, servindo até três pessoas sobrando comida.

Prato principal: parmegiana com arroz e batatas fritas.

Parmegiana e acompanhamentos

Sorvetes Juju

Local pequeno mas aconchegante, localizado próximo a praça.

Sorvete ok e por kilo, a dona do estabelecimento é muito simpática.

Sorvete

O que fazer no centro de Baependi

A cidade possui a Igreja Matriz Santa Maria de Baependi, que fica próxima a Igreja da Nhá Chica.

Em frente a matriz, tem uma praça e em torno lojas e restaurantes. No momento em que fomos, estava tendo uma feira no local.

Igreja Matriz de Baependi
Igreja Matriz de Baependi
Praça na frente da Igreja Matriz de Baependi
Praça na frente da igreja

Na lateral esquerda, se você estiver olhando para a a Igreja Matriz irá ver a Igreja Nossa Senhora do Rosário.

Igreja Nossa Senhora do Rosário ao lado da Matriz
Igreja Nossa Senhora do Rosário

Igreja da Nhá Chica

Fácil de localizar por causa de diversas placas que levam até o local, a igreja fica ao lado de onde a mesma morou e é possível para conhecer a sua casa. Entre a casa e a a igreja, fica o Instituto Nhá Chica e logo depois, bem próximo, tem um museu que conta a sua história.

Casa onde viveu Nha Chica em Baependi
Entrada da casa da Nhá Chica
Instituto nha Chica
Instituto Nhá Chica
Igreja Nha Chica em Baependi
Igreja Nhá Chica

História Nhá Chica

Nome de Nhá Chica é Francisca de Paula de Jesus, nascida em Santo Antônio do Rio das Mortes, distrito de São João del-Rei (MG) e, logo depois, chegou em Baependi (MG). Veio acompanhada por sua mãe e por seu irmão, Teotônio. Eles tinham poucos pertences, mas trouxeram uma imagem de Nossa Senhora da Conceição.

Inesperadamente, em 1818, com 10 anos de idade, sua mãe faleceu deixando as duas crianças aos cuidados de Deus e da Virgem Maria. Esta a chamava carinhosamente de “Minha Sinhá” que quer dizer: “Minha Senhora”, e nada fazia sem primeiro consultá-la.

Foi toda do Senhor. Atendia a todos que a procuravam pois tinha sempre uma palavra de conforto ou uma promessa de oração.

Em 1954, a Igreja de Nhá Chica foi confiada à Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor. Desde então teve início bem ao lado da Igreja, uma obra de assistência social para crianças necessitadas. Hoje o Instituto acolhe mais de 150 crianças.

A “Igrejinha de Nhá Chica”, depois de ter passado por algumas reformas, é hoje o “Santuário Nossa Senhora da Conceição” que acolhe peregrinos de não apenas do Brasil mas também de diversas partes do mundo.

Nhá Chica morreu no dia 14 de junho de 1895, aos 87 anos, no interior da Capela por ela construída. Os restos Mortais se encontram hoje no mesmo lugar, no interior do Santuário Nossa Senhora da Conceição em Baependi. Além disso, estão protegidos por uma urna de acrílico colocada no interior de uma outra de granito.

Conclusão

Com toda a certeza, foi uma grata surpresa ter caído em Baependi e desejamos muito voltar para a cidade e desbravar outras cachoeiras e trilhas.

Gostou ?! Então Leia mais sobre a nossa viagem em Alagoa.

Você também pode gostar...

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.